A Indústria de Transformação abrange a maior parte das operações desenvolvidas no setor industrial. É um dos principais ramos da indústria e, segundo o IBGE, teve um aumento de participação de 1,8% no segundo trimestre de 2019, em relação ao primeiro. Quando somado a construção civil, corresponde a 70% de todo o setor industrial brasileiro.

Esse grupo de indústrias trabalha com a transformação física, química ou biológica das matérias-primas em produto final ou intermediário. A atividade é classificada conforme seu foco de atuação, sendo ramificada em três grandes conjuntos: Bens de Produção (extrativas ou de bens de capital), Bens Intermediários (mecânica e autopeças, por exemplo) e Bens de Consumo (maior parcela de produção industrial brasileira).

A Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) subdivide as atividades da indústria de transformação em 24 grupos, descritos conforme sua atuação e bens produzidos. Dentre eles, os destaques são: a Indústria do Plástico, Indústria de Alimentos, Indústria de Bebidas, Metalúrgica, Química, Indústria de Máquinas e Equipamentos e Automobilística.

Panorama brasileiro e a recuperação do setor

A Indústria Transformadora já foi o carro-chefe da economia brasileira. Porém, desde o final da década de 80, fatores externos contribuem para uma crescente perda de participação desse segmento na produção do país.

Em 2019 temos visto um cenário de estabilidade, o setor alcançou 11,3% do PIB nacional, conforme mostra pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) – Produtividade na Indústria. A produtividade do trabalho na indústria de transformação brasileira cresceu 0,8%  no segundo trimestre desse ano comparado ao primeiro trimestre. Esse número mostra recuperação, após apresentar tendência de queda durante o ano de 2018.

De acordo com pesquisa do IBGE, a produção industrial expandiu 0,5% a mais do que o previsto para o segundo trimestre de 2019, e apresentou um crescimento dessazonalizado de 0,6%, comparado ao primeiro trimestre do ano, quando esperava-se um aumento de apenas 0,4%.

Esse crescimento pode ser visto, principalmente, nas empresas que promovem melhorias na gestão e incorporam novas tecnologias em seu funcionamento, acompanhando os avanços da Indústria.

Precisa de um orçamento de resinas termoplásticas?

Preencha o formulário abaixo e aguarde o contato de nossa equipe.

Perfil da Indústria de Transformação do Plástico

Em 2018, a Indústria de Transformação do Plástico no Brasil apresentou um faturamento de R$ 78,3 bilhões, com produção física de 6,2 milhões de toneladas e 312.934 empregos gerados.

Perfil - Indústria de Transformação do Plástico no Brasil

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), menos de 5% das empresas fabricantes de produtos plásticos são responsáveis por quase 50% do faturamento do setor. É o quarto setor que mais emprega no Brasil, gerando, atualmente, um total de 326 mil empregos.

90% de todos os empregos estão na cadeia do plástico. 

A cada R$ 1 milhão adicional de produção, são gerados 29 novos empregos, e aumenta-se R$ 3,35 milhões na produção total da economia e R$ 1,3 milhão no PIB brasileiro.

Dados da Indústria de Transformação do Plástico no Brasil

Em relação à cadeia produtiva, as principais resinas consumidas no país são: PP (20,3%), PEAD (13,5%), PVC (12,6%), PEBD (11,4%), PEBDL (11%,). Em 2018, a produção física aumentou 0,8% em relação ao ano anterior e registrou um avanço de 1,5% em sua demanda (consumo aparente). Isso indica que o setor se recupera de maneira gradual depois da crise de 2015 e 2016.

Principais Resinas Consumidas - Indústria de Transformação do Plástico

Um dado interessante é que as indústrias de transformação do plástico concentram-se nas regiões Sul e Sudeste:

Dados da Indústria de Transformação do Plástico no Brasil

Além disso a grande maioria das indústrias são micro ou pequenas empresas:

Dados da Indústria de Transformação do Plástico no Brasil

Nesse ano, o país apresentou um total de R$ 86,3 bilhões de consumo aparente de transformados plásticos, sendo construção civil, alimentos e automóveis os principais setores de consumo desses materiais.

A recuperação da indústria de transformação, no entanto, só poderá ser confirmada a partir do desenrolar de fatores econômicos ainda incertos, tais como: o ciclo de cortes da Selic, medidas racionais e moderadas pela demanda, reforma da previdência e reforma tributária.

Avaliar dados de mercado, bem como necessidades e desafios presentes, permitirá a Indústria de Transformação planejar ações assertivas para manter-se competitiva e em constante crescimento.

Por seu dinamismo, a Indústria de Transformação do Plástico requer acompanhamento constante do desenvolvimento tecnológico, em busca de soluções que atendam as necessidades dos novos projetos que despontam a cada dia. Esse é sempre um ponto de atenção, enquanto a economia se recupera!

Receba mais conteúdos como esse. Inscreva-se na newsletter da Mais Polímeros: