Você está em dúvida sobre qual modalidade de frete – CIF ou FOB – melhor se aplica ao seu negócio? Esse texto pode te ajudar… 

A logística é uma área cada vez mais estratégica dentro das organizações e a gestão de frete uma das atividades mais importantes dentro de uma empresa. Afinal, o cliente quer receber seu produto da forma mais ágil e simples possível.

Por isso, a contratação do frete deve considerar aspectos que vão além do preço cobrado pelo transporte da mercadoria. Além de avaliar a qualidade do serviço, a reputação da transportadora e as condições de pagamento, é essencial considerar quem é o responsável pela entrega.

Nesse cenário, vale conhecer os conceitos Cost Insurance and Freight (CIF) e Free On Board (FOB). Frete CIF ou FOB se diferenciam, entre outros aspectos, pelo momento em que o pagamento é feito.

Quer entender como cada uma dessas modalidade funciona? Continue lendo este texto.

Frete CIF ou FOB: quais as principais diferenças

Primeiramente, o significado das siglas CIF e FOB está relacionado com o pagamento de frete no transporte de mercadorias. Ou seja, estas siglas são utilizadas para distinguir os pagamentos entre comprador e fornecedor, em outras palavras, definir quem suporta os custos e riscos do transporte.

Eles fazem parte dos Incoterms (termos internacionais de comércio) que são normas definidas, pela Câmara Internacional do Comércio, para trocas comerciais internacionais.

O CIF (Cost, Insurance and Freight) – “Custos, Seguros e Frete” em português, – passa a responsabilidade de custos e riscos de transporte para o vendedor / fornecedor. A responsabilidade termina na entrega do material em seu destino final. Embora seja mais caro, o cliente tende a escolher o frete CIF para não ter que lidar com os problemas e detalhes que podem surgir durante o transporte. Essa opção acaba agregando valor ao produto e pode ser um diferencial competitivo no segmento. Os pagamentos deste frete costumam ser feitos na origem do transporte, embutido ao custo da mercadoria. Por essa razão, o valor do frete pode estar indicado na nota fiscal.

FOB (Free On Board) pode ser traduzido em português para “Livre A Bordo”. Trata-se do frete em que o comprador assume todos os riscos e custos com o transporte da mercadoria. A responsabilidade do vendedor termina quando a mercadoria é despachada. Em geral, o pagamento é feito pelo cliente, e costuma acontecer no momento da entrega. Consequentemente, vale observar que como o FOB não está embutido no preço dos produtos, tem sempre o valor especificado na nota fiscal.

Qual escolher? CIF ou FOB?

Dadas as características, cada modalidade de frete é mais comum em determinados mercados e circunstâncias. O frete CIF, por exemplo, é mais usado em negócios do tipo business to consumer (B2C) ou em alto volume de remessas para clientes diferentes. A complexidade de se organizar fretes distintos torna a modalidade FOB pouco viável. Por isso, o CIF é mais utilizado em e-commerces, onde o cliente final paga pela mercadoria e pelo frete de uma só vez.

Já o frete FOB é mais utilizado em entregas do tipo business to business (B2B), especialmente quando se tratam de cargas de alto valor agregado ou com custo de frete muito alto. É comumente usado por indústrias que compram produtos de diferentes fornecedores e que já têm suas transportadoras de confiança (que coletam os produtos diretamente nos fornecedores).

Monitoramento

No Brasil, a maioria dos fretes em transportes é do tipo CIF. Por isso, é importante que a empresa responsável pela entrega faça o rastreamento do status e elabore ações para que eventuais problemas sejam solucionados com agilidade. Uma boa prática é manter o cliente sempre informado.

Em conclusão, é essencial que o gestor conheça as características de cada tipo de frete para saber qual a melhor opção para o seu negócio, em cada situação. Acima de tudo, a escolha acertada do tipo de frete pode ser a vantagem competitiva da companhia em sua estratégia de mercado. Também é fundamental estar atento às necessidades do cliente e ser capaz de oferecer a ele sempre as melhores alternativas.

Gostou deste artigo? Para receber outros conteúdos e notícias inscreva-se em nossa newsletter: